segunda-feira, 27 de junho de 2016

SOLENIDADE DE SÃO PEDRO E SÃO PAULO 29/06


29 de Junho de 2016


Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus (Mt 16, 13-23)

Ao chegar à região de Cesareia de Filipe, Jesus fez a seguinte pergunta aos seus discípulos: «Quem dizem os homens que é o Filho do Homem?» 14Eles responderam: «Uns dizem que é João Baptista; outros, que é Elias; e outros, que é Jeremias ou algum dos profetas.» Perguntou-lhes de novo: «E vós, quem dizeis que Eu sou?» 16Tomando a palavra, Simão Pedro respondeu: «Tu és o Messias, o Filho de Deus vivo.»
17Jesus disse-lhe em resposta: «És feliz, Simão, filho de Jonas, porque não foi a carne nem o sangue que to revelou, mas o meu Pai que está no Céu. 18Também Eu te digo: Tu és Pedro, e sobre esta Pedra edificarei a minha Igreja, e as portas do Abismo nada poderão contra ela. 19Dar-te-ei as chaves do Reino do Céu; tudo o que ligares na terra ficará ligado no Céu e tudo o que desligares na terra será desligado no Céu.» 20Depois, ordenou aos discípulos que a ninguém dissessem que Ele era o Messias. 21A partir desse momento, Jesus Cristo começou a fazer ver aos seus discípulos que tinha de ir a Jerusalém e sofrer muito, da parte dos anciãos, dos sumos sacerdotes e dos doutores da Lei, ser morto e, ao terceiro dia, ressuscitar.
22Tomando-o de parte, Pedro começou a repreendê-lo, dizendo: «Deus te livre, Senhor! Isso nunca te há-de acontecer!» 23Ele, porém, voltando-se, disse a Pedro: «Afasta-te, Satanás! Tu és para mim um estorvo, porque os teus pensamentos não são os de Deus, mas os dos homens!»

Uma chave de leitura

O texto litúrgico da Solenidade de São Pedro e São Paulo é tomado do Evangelho de Mateus (Mt 16, 13-19). No comentário que faremos incluímos também os versículos 20-23, porque no conjunto do texto, do versículo 13 ao 23, Jesus voltando-se para Pedro por duas vezes chama-o de “pedra”. Uma vez pedra de fundamento (Mt 16, 18) e outra vez pedra de escândalo (Mt 16, 23). As duas afirmações completam-se mutuamente.

Comentário do texto

Mateus 16, 13-16: As opiniões do povo e dos discípulos acerca de Jesus. Jesus quer saber a opinião do povo acerca da sua pessoa. As respostas são muito variadas: João Baptista, Elias, Jeremias, um dos profetas. Quando Jesus pede a opinião dos próprios discípulos, Pedro em nome de todos diz: “Tu és o Cristo o Filho de Deus vivo!”. Esta resposta de Pedro não é nova. Anteriormente, depois de caminhar sobre as águas, já os próprios discípulos tinham feito uma profissão de fé semelhante: “Verdadeiramente tu és o Filho de Deus! (Mt 14, 33). É o reconhecimento de que em Jesus se realizam as profecias do Antigo Testamento. No Evangelho de João a mesma profissão de fé é feita por Marta: “Tu és o Cristo, o Filho de Deus que havia de vir a este mundo!” (Jo 11, 27).
Mateus 16, 17: A resposta de Jesus a Pedro: “És feliz, Simão”. Jesus diz que Pedro é “feliz”, porque recebeu uma revelação do Pai. Tampouco aqui a resposta de Jesus é nova. Já antes Jesus tinha feito uma declaração de felicidade aos discípulos porque viam e ouviam coisas que ninguém antes tinha conhecido (Mt 13, 16), e louvou o Pai por ter revelado o Filho aos pequeninos e não aos sábios (Mt 11, 25). Pedro é um dos pequeninos a quem o Pai se revela. A percepção da presença de Deus em Jesus não provém “nem da carne nem do sangue”, ou seja, não é o resultado do estudo, nem é mérito de nenhum esforço humano, mas é dom de Deus que o concede a quem quer.
Mateus 16, 18-20: As qualificações de Pedro: ser pedra de fundamento e receber em posse as chaves do Reino. Ser pedra: Pedro deve ser a pedra, a saber, deve ser o fundamento firme para a Igreja, de modo que possa resistir contra os assaltos das portas do inferno. Com estas palavras de Jesus dirigidas a Pedro, Mateus animava as comunidades da Síria e da Palestina que sofriam e eram perseguidas e que viam em Pedro o chefe que as selara desde o princípio. Apesar de serem débeis e perseguidas, elas tinham um fundamento sólido, garantido pela palavra de Jesus. Naquele tempo as comunidades cultivavam uma estreita e muito forte relação afetiva com os chefes que estiveram na sua origem. Assim as comunidades da Síria e da Palestina cultivavam a sua relação com a pessoa de Pedro. As da Grécia com a pessoa de Paulo. Algumas comunidades da Ásia com a pessoa do Discípulo Amado e outras com a pessoa de João do Apocalipse. Uma identificação com estes chefes que as originaram ajudavam-nas a cultivar melhor a própria identidade e espiritualidade. Mas também podia ser motivo de conflito, como no caso da comunidade de Corinto (1Cor 1, 11-12). Ser pedra como fundamento da fé evoca a Palavra de Deus dirigida ao povo no desterro da Babilónia: “Escutai-me, vós, os que seguis a justiça, os que procurais Yahvé. Considerai a rocha de que fostes talhados e a pedreira de onde fostes tirados. Olhai para Abraão, vosso pai, e para Sara, que vos deu à luz. Ele era um só, quando o chamei, mas abençoei-o e multipliquei-o” (Is 51, 1-2). Aplicada a Pedro esta qualidade de pedra-fundamento, indica um novo começo do povo de Deus.
As chaves do Reino: Pedro recebe as chaves do Reino para atar e desatar, ou seja, para reconciliar  as pessoas com Deus. O mesmo poder de atar e desatar foi dado às comunidades (Mt 18, 8) e aos discípulos (Jo 20, 23). Um dos pontos em que o Evangelho de Mateus mais insiste é o da reconciliação e do perdão (Mt 5, 7.23-24.38-42.44-48; 18, 15-35). Nos anos 80 e 90 na Síria existiam muitas tensões nas comunidades e divisões nas famílias por causa da fé em Jesus. Alguns aceitavam-no como Messias e outros não. Isto era fonte de muitos conflitos e desavenças. Mateus insiste sobre a reconciliação. A reconciliação era e continua a ser um dos mais importantes deveres dos coordenadores das comunidades. Imitando Pedro, devem atar e desatar, isto é, trabalhar para que haja reconciliação, aceitação mútua, construção da verdadeira fraternidade.
A Igreja: A palavra Igreja, em grego eklesia, aparece 105 vezes no Novo Testamento, quase exclusivamente nos Atos dos Apóstolos e nas Cartas. Somente três vezes nos Evangelhos, e só em Mateus. A palavra significa “assembleia convocada” ou “assembleia escolhida”. Esta indica o povo que se reúne convocado pela Palavra de Deus e procura viver a mensagem do Reino que Jesus trouxe. A Igreja ou a comunidade não é esse Reino mas um instrumento e um sinal do Reino. O Reino é maior. Na Igreja, na comunidade, deve ou deveria aparecer aos olhos de todos o que acontece quando um grupo humano deixa Deus reinar e tomar posse da sua vida.
Mateus 16, 21-22: Jesus completa o que falta na resposta de Pedro e este reage e não aceita. Pedro confessara: “Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo!”. Conforme a ideologia dominante do tempo, Pedro imaginava um Messias glorioso. Jesus corrige-o: ”É necessário que o Messias sofra e seja morto em Jerusalém”. Dizendo “é necessário”, Jesus indica que o sofrimento já estava previsto nas profecias (Is 53, 2-8). Se os discípulos aceitam Jesus como Messias e Filho de Deus, devem aceitá-lo também como Messias servo que vai morrer. Não só o triunfo da glória, mas também o caminho da cruz! Mas Pedro não aceita a correção de Jesus e procura dissuadi-lo.
Mateus 16, 23: A resposta de Jesus a Pedro: pedra de escândalo. A resposta de Jesus é surpreendente: “Afasta-te, Satanás! Tu és para mim um estorvo, porque os teus pensamentos não são os de Deus, mas os dos homens!”. Satanás é o que nos afasta do caminho que Deus nos traçou. Literalmente Jesus diz: “Coloca-te atrás de mim!”. Pedro queria tomar o comando e indicar a direção do caminho. Jesus diz: “Atrás de mim!”. Quem assinala a direção e o ritmo não é Pedro mas é Jesus. O discípulo deve seguir o mestre. Deve viver em conversão permanente. A palavra de Jesus era também uma mensagem para todos os que conduziam as comunidades. Eles devem “seguir” Jesus e não podem colocar-se à frente como Pedro queria fazer. Não são eles que podem indicar a direção ou o estilo. Pelo contrário, como Pedro, em vez de pedra de apoio, podem converter-se em pedra de escândalo. Assim eram alguns chefes das comunidades nos tempos de Mateus. Havia ambiguidade. O mesmo pode acontecer hoje conosco!
Um retrato de São Pedro
Pedro de pescador de peixes transformou-se em pescador de homens (Mc 1, 7). Era casado (Mc 1, 30). Homem bom, muito humano. Estava naturalmente chamado a ser o chefe entre os Doze primeiros discípulos de Jesus. Jesus respeitou essa tendência natural e fez de Pedro o animador da sua primeira comunidade (Jo 21, 17). Antes de entrar na comunidade de Jesus, Pedro chamava-se Simão bar Jonas (Mt 16, 17), Simão filho de Jonas. Jesus deu-lhe o sobrenome de Cefas ou Pedra, que logo se converteu em Pedro (Lc 6, 14).
Por natureza Pedro podia ser tudo menos uma pedra. Era valente no falar mas na hora do perigo deixava-se levar pelo medo e fugia. Por exemplo, naquela vez em que Jesus caminhou sobre as águas, Pedro pediu-lhe: “Jesus, posso também eu caminhar sobre as águas?”. Jesus respondeu: “Vem, Pedro!”. Pedro desce da barca e põe-se a caminhar sobre as águas. Mas quando chega uma onda maior do que o costume, assusta-se, começa a afundar-se e exclama: “Salva-me, Senhor!”. Jesus tomou-o pela mão e salvou-o (Mt 14, 28-31). Na última ceia Pedro diz a Jesus: “Jamais te negarei, Senhor” (Mc 14, 31), mas poucas horas depois, no palácio do sumo sacerdote, diante de uma criada, quando Jesus já tinha sido preso, Pedro negou com juramento ter algo a ver com Jesus (Mc 16, 66-72). No Jardim das Oliveiras, quando Jesus foi preso, Pedro desembainha a espada (Jo 18, 10), mas de imediato foge, deixando Jesus sozinho (Mc 14, 50). Por natureza Pedro não era uma pedra!
Contudo, este Pedro tão débil e tão humano, tão igual a nós, converteu-se em Pedra, porque Jesus rezou por ele dizendo: “Pedro, eu rezei por ti, para que não desfaleça a tua fé. E tu, uma vez convertido, confirma os teus irmãos!” (Lc 22, 31-32). Por isso Jesus podia dizer: “Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja!” (Mt 16, 18). Jesus ajudou-o a ser pedra. Depois da ressurreição, na Galileia, Jesus apareceu a Pedro e perguntou-lhe duas vezes: “Pedro, tu amas-me?”. Pedro respondeu: “Senhor, tu sabes que te amo” (Jo 21, 15-16). Quando Jesus lhe fez a mesma pergunta pela terceira vez, Pedro entristeceu-se. Devia ter recordado que negara Jesus três vezes. Pedro respondeu: “Senhor, tu sabes tudo. Tu sabes que te amo”. E foi naquele momento que Jesus lhe confiou o cuidado das ovelhas, dizendo: “Pedro, apascenta as minhas ovelhas!”. Com a ajuda de Jesus a firmeza da pedra crescia em Pedro e revelou-se no dia de Pentecostes.
No dia de Pentecostes, depois da vinda do Espírito Santo, Pedro abriu a porta da sala onde estavam todos reunidos, com as portas fechadas por medo dos judeus (Jo 20, 19) e cheio de coragem começou a anunciar ao povo a Boa Nova de Jesus (At 2, 14-40). E nunca mais parou. Por causa deste anúncio corajoso da ressurreição foi preso (Act 4, 3). No interrogatório foi proibido de anunciar a Boa Nova (At 4, 18), mas Pedro não obedeceu. Disse: “Nós pensamos que devemos obedecer antes a Deus do que aos homens!” (At 4, 19; 5, 29).
Conta a tradição que no fim da vida, quando Pedro estava em Roma, teve um momento de medo. Mas, em seguida, voltou, foi preso e condenado à morte de cruz. Pediu que o crucificassem de cabeça para baixo. Não se julgava digno de morrer do mesmo modo que o seu Mestre Jesus. Pedro foi fiel a si mesmo até ao fim!


 Colaboração Ir. Nilza do Carmo

Nenhum comentário:

Postar um comentário