quarta-feira, 29 de outubro de 2014

A CAMINHO DO PAI

O purgatório é um lugar de sofrimento em que as almas se purificam, solvendo suas dívidas, antes de serem admitidas no céu, onde só entrará quem for puro. Sua existência se baseia no testemunho da Sagrada Escritura e da Tradição. Vários concílios o definiram como dogma; Santos Padres e Doutores da igreja o atestam a uma voz.
"Há uma prisão da qual não se sairá senão quando tiver pago o último centavo. (Mat. 18, 23-35)

COMO SÃO ESQUECIDOS OS FALECIDOS ...

A igreja, querendo que não nos esqueçamos das almas, consagrou um dia inteiro todos os anos à oração pelos finados. Determinou que em todas as missas houvesse uma recomendação e um momento especial pelos mortos. Ela aprova, sustenta e estimula a caridade pelos falecidos.
Como são esquecidos os mortos! Exclama Santo Agostinho! E no entanto acrescenta S. Francisco de Sales, em vida eles nos amavam tanto.
Nos funerais: lágrimas, soluços, flores. Depois, um túmulo e o esquecimento. Morreu...acabou-se!
Se cremos na vida eterna, cremos no purgatório, oremos pelos falecidos. O purgatório é terrível e bem longo para algumas almas.
S. Francisco de Sales tinha medo de seus admiradores. Essas pessoas, imaginando que depois da minha morte fui logo direto para o céu, me farão sofrer no purgatório.

Santa Tereza pedia: " pelo amor de Deus, eu peço a cada pessoa uma Ave-Maria, a fim de que me ajude a sair do purgatório e apresse a hora em que hei de gozar a vista de Jesus Senhor Nosso".

Não canonizemos depressa nossos mortos. Nunca nos descuidemos do sufrágio deles, porque já o fizemos durante algum tempo, ou mandamos celebrar algumas missas. Ignoramos o rigor da justiça Divina.

Vós que viveis na terra e tão facilmente vos comoveis ante o sofrimento e a ideia do abandono, ouvi as almas do purgatório pedindo-vos uma migalha desse pão que Deus vos dá com tanta abundância: uma pequena parte de vossas orações, boas obras, e sofrimentos! Como são justas as queixas que um religioso ouviu desses pobres corações abandonados.

"Ó irmãos! Ó amigos! Pois que há tanto tempo vos aguardamos, e vós não vindes; vos chamamos e não respondeis; sofremos tormentos que não tem iguais, e vos compadeceis; gememos e não consolais".
Aí, dizia uma alma, ignora-se no mundo que o fogo do purgatório é semelhante ao do inferno. Se possível fosse fazer uma visita a essas mansões de dor, não haveria na terra, quem quisesse cometer um só pecado venial, visto o rigor com que é punido.

São Francisco Xavier percorria, à noite, as ruas da cidade, convocando com uma campainha, o povo a orar pelas almas.

Colaboração Irmã Nilza de Nossa Senhora do Carmo

Nenhum comentário:

Postar um comentário